Panóptico

quinta-feira, 22 de abril de 2010

XAMÃ-EMBOLADOR (Tributo para Chico Science)

Era noite no mangue suburbano,
a miasma da mesmice    massificada
fodia as entranhas dos homens caranguejos.
O tédio massageava a alienação
numa fossa mercadológica de sons.
Da lama ao caos, os recifes da vida
cortavam os ânimos e os nervos;
Mas de repente o surto criativo rebentou
nos cérebros antenados dos mangueboys
marcados de idéias, signos e sotaques.
Fez-se ouvir então nos becos lamacentos
o rock and roll híbrido inusitado
de batidas e batuques tribais.
Em meio ao lusco-fusco neo-regional,
regado a cachaça e a maracatu,
surgiu o xãma-embolador
reciferando um otimismo beat,
que arrombou as barreiras da mente,
numa performace afrociberdélica
de cabôco cosmopolita.
                                                        (Pirro)