Panóptico

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

POLICIAIS-DE-CHUMBO (por Pirro)

Ao vencedor as batatas” (Machado de Assis) 


















Por que as coisas sempre vão bem
para as cabeças blindadas
dos pitbulls do Estado?
O que os policiais-de-chumbo
pretendem?
Vagabundo tem que morrer,
é tapa no pé da urêia mermo!
dizem eles com a bíblia nas mãos.
Seus ouvidos estão voltados
para um deus morto e sem culhões,
enquanto faz o serviço sujo
para o pior dos monstros.
Será que eles nunca vão usar suas cabeças,
para enxergar além de suas pensões?
Ficarão sempre assim rindo,
nessa caricatura de Leonardo Pataca
no meio da malandragem que não morde?
Será que não vão pelo menos aprender
a duvidar das merdosofias sagradas
que lhes enfiaram no rabo?
Eles sempre estão se ajoelhando
diante das leis que os colocaram
amarrados pela "coleira do cão".

Continuem, companheiros
fazendo o trabalho sujo,
só porque pregaram
que deus e a lei assim exigem.
Pouco importa o vagabundo
pego com a mão na butija
só porque vendia um baseado
para arranjar uns trocados
e alimentar os seus barrigudinhos.
Cantem o hino nacional,
e a ode da briosa corporação,
sejam heróis condecorados
como um Caxias “born to kill”.
Peçam mais coletes à prova de balas
façam o cassetete vibrar
nas costelas dos cães na periferia
e continuem rezando
para a divina providência.
Depois, retornem para suas casas
e assistam o desenho do Pateta
e o freakshow do Barêta
pulando de galho-em-galho
como legítimos macacunaímas.
Afinal, o teatro tragicômico se repete:
fodidos arrombando com outros fodidos
enquanto os uruburgueses,
legisladores e pastores
continuam penteando os dentes
e massageando o cu
da vaidade e do poder.
                                                      (Pirro)

3 comentários:

O autor dos rebentos disse...

Os cães-de-guarda ladram e a caravana passa. É uma espécie de Servidão voluntária isso. Abraço, valeu.

educadora Cris disse...

Nossa, q texto profundo, mexeu comigo e com minhas verdades ou serão mentiras? agora já ñ sei.

Pirro disse...

O importante foi que seu espírito se coçou diante da leitura. De resto, tire suas reflexões, a pesar de que o texto fala por si só.
Abraço, de Pirro!